quarta-feira, 30 de junho de 2010

A Arte de Criticar

Trabalhar com sono é uma das piores sensações do universo. Mas isso nem me atrapalhou tanto hoje porque estou animada, não sei bem com o quê, mas ando muito disposta ultimamente. Talvez tenham sido as férias, revitalizante. Bom, mas o motivo pelo qual eu trocaria meu dia de trabalho por uma cama quentinha vai muito mais além do que uma simples preguiça ou, o gélido inverno do interior paulista. Não, nada disso! As minhas noites de terças e quintas-feiras têm sido dele, somente dele: Marco Camargo.

Olhar sexy, jeito de conquistador, sorriso hipnotizante e - e o que é o melhor de tudo - uma maestria impressionante na arte de criticar. Isso, é claro, sendo bastante eufêmica, pois Marco Camargo não critica, Marco Camargo acaba com as pessoas. O jurado do programa Ídolos, da Rede Record, possui o dom de enxergar os piores defeitos no ser humano e suas irônicas palavras fazem qualquer candidato rebaixar sua estima instantaneamente. Seus companheiros de Júri, Calainho e Paula Lima também não deixam por menos e completam a trupe da maledicência, mas ele, o bendito Marco Camargo parece que possui a arte encrostada no âmago. E é por essa razão que meu sono matutino é benquisto, pois adoro pessoas inteligentes.

Muitos acham que as críticas são grosseiras, machucam e ferem a moral dos candidatos que, ao perceberem o fracasso diante dos olhares reprovadores da banca, saem xingando aos ventos. Não concordo, porque também sou uma pessoa extremamente crítica. Observo muito mais defeitos do que qualidades nas pessoas e só tenho prazer em fazer isso porque sei que também sou cheia de imperfeições. Aceito que me critiquem, quando as críticas condizem com a verdade e são construtivas. No caso de Marco Camargo, elas são destrutivas. Mas ele pode. E é perfeitamente entendível toda a irritação em suas expressões, pois vivemos numa época onde qualquer garotinho de franjas acha que pode se tornar membro de uma famosa boyband, onde óculos em outrora debochados e relacionados aos nerds, hoje são sinônimo de moda, uma geração que cultua ídolos pela alternatividade e não pela voz. Marco Camargo é antigo e ao mesmo tempo, aberto às novas tendências e sensações. Irônico de não caber em si e seletivo por natureza. Politicamente incorreto. E é por isso que por Marco eu suspiro, somente por Marco.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Exercitando a Paciência de Fim de Dia


Hoje eu estava voltando do trabalho para casa dentro de um ônibus lotado. Ônibus são veículos singelos, imagino que meus leitores achem o mesmo. Esse ônibus, na verdade, era uma viatura militar e, como se poderia esperar, estava abarrotado de militares. Uma variedade incrível de gente falando ou tentando se mexer em qualquer ínfimo metro cúbico. Mas o fato de ficar em pé toda uma viagem nem me incomodou tanto dessa vez, como me incomodaram os próprios passageiros. Refiro-me ao povo do fundão. A galera que senta em fundão de ônibus, habitualmente, é aquela que gosta de zonear. A galera que senta em fundão de ônibus militar é jovem, quase sempre recrutas ou soldados que ainda não aprenderam a se comportar (nada contra a classe, tenho muitos amigos nela, mas tudo contra o excesso de infantilidade). Quando se juntam em bandos, a zona vira avacalhação. E, quando você decide, inocentemente, prestar atenção naquilo o que acontece lá atrás, começa a se envergonhar. Sim, você se envergonha de conhecer aquela gente e, principalmente, dividir o mesmo meio de transporte. Garotos jovens possuem a testosterona aflorada, é fato. A vontade de aparecer e de achar que toda aquela bagunça é algo muito bonito e que todos os passageiros devem estar se remoendo por não participarem da farra traseira é latente. Papo descabeçado, risadas altas e descontroladas, zoação entre os membros dos grupos e uma fanfarra sem sentido algum fizeram com que nós, tranqüilos passageiros da parte da frente do ônibus, nos entreolhássemos entre suspiros impacientes. O que eu mais gostei mesmo foi quando um dos passageiros resolveu comentar, ironicamente: - Isso aqui está pior que aqueles ônibus que levam os bóias-frias para a zona rural. O bóia-fria é pobre, mas é educado, sabe se comportar, não faz isso não. Acho que nem a torcida organizada do Flamengo!

É por essas e outras que eu preciso aprender a dirigir e comprar um carro. Now!

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Os filhos deste solo...

O melhor mesmo desse lance todo de Copa do Mundo é a mamata do meio expediente. A gente acaba torcendo pela seleção com muito mais fervor do que somente pela Pátria Amada, Brasil, mãe gentil... Mesmo porque, patriotismo brasileiro só nasce em época de futebol e morre assim que a Copa acaba. E tem mais: brasileiro que se preza não aceita vice-campeonato e as bandeirinhas e cores pátrias vão desaparecendo das janelas, roupas e acessórios com a mesma velocidade que surgiram. Basta um pequeno giro pelo Orkut e poderemos ver os avatares verde-amarelos pintando e bordando a rede social. Legal, né? Era pra ser, pelo menos se metade desses fervorosos torcedores soubesse ao menos cantar inteiro o Hino Nacional. Como não sabem... Continuo a minha tese de que, o barato mesmo do Mundial é o meio expediente, a churrascada e a farra que todo brasileiro gosta. É isso aí.

E que venha a Laranja Mecânica! Sem nenhum Alex DeLarge por lá, não corremos tanto perigo assim... risos.

domingo, 27 de junho de 2010

Fim de Festa

Ah... Acabou-se o que era doce! A primeira parcela das minhas férias termina junto com esse domingo e, amanhã, é dia de voltar à torturante escravidão dos trabalhadores brasileiros. Mas em setembro virão outros quinze dias de férias ansiosamente aguardados (sim... já as espero com muita expectativa!). Bom, posso dizer que o saldo desse meu primeiro recesso foi positivo. Viajei e conheci Poços de Caldas-MG de um ângulo nunca antes visto por mim. Já tinha passado por lá, no ano anterior, mas foi péssima experiência, saí da cidade com uma equivocada impressão, por ter ido com companhia tão xôxa... que... quase não conheci nada! Dessa vez resolvi dar outra chance à cidade do Sul de Minas e me apaixonei pelo lugar. Águas sulfurosas, paisagens lindas, feiras de artesanato e roupas à preços muito acessíveis. Fiz umas comprinhas espetaculares, esbaldei-me em parques de diversões, escalei montanhas e só não saltei de paraglider porque o precinho estava meio salgado... risos.

Outra parte das férias passou-se no meu querido Rio de Janeiro, minha cidade Natal. Fui visitar parentes e esquecer um pouco da monótona rotina paulista. Os Pirassununguenses que me desculpem, mas roça é para caipira, não para cariocas. Quando vim para PiraCity (à trabalho, que fique claro) tinha a certeza absoluta de que eu e essa cidade não nos daríamos bem e isso só vem se confirmando no decorrer dos dias. Mas, como nem tudo é tão ruim, uma coisa aqui é boa: há bons lugares próximos para fugir no final de semana e nas férias, uma vez que não há vida em Pirassununga após as dezessete horas.

É... Copa do Mundo, um ano da morte de Michael Jackson, aniversário de um ano da minha afilhada, provas absurdamente difíceis na faculdade, tudo aconteceu nesses 15 dias de descanso, a tal ponto que estava quase me sentindo civil novamente. Então tudo passa, tudo passará... volto ao sério semblante que uma farda exige, às continências e responsabilidades, certa de que, em setembro, Guarujá me espera.

Ah, praia, sol, mar... vai ser demais! Boa semana à todos.

(Mas, antes disso, preciso conhecer a 25 de março, Braz, essas coisas consumistas... se algum paulistano ler esse post, favor responder: há vida nesses lugares no sábado?)

Go Bananas!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Pensando:

Muita coisa para escrever aqui, pouquíssimo tempo para postar. Viver é mesmo uma aventura.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

E porque não falar da seleção...

Gosto muito de Copa do Mundo e de torcer pelo Brasil. Sou daquelas que enfeita a casa nas cores pátrias e compro buzinas, cornetas, tudo que possa fazer barulho na comemoração, mas... preciso dizer que Shun Tzu definiu perfeitamente em duas frases, o meu sentimento com essa Copa, depois do jogo contra a Coréia:

"Por mais fraco que seja seu inimigo, ele sempre pode te surpreender."

"Faça com que seu inimigo perca a vontade de lutar."

Vamos lá, Brasil! A gente sempre acredita em você.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Alegria, alegria!

- Aniversário de 1 ano da minha sobrinha/afilhada.
- Início de férias.
- Vontade de cometer altas loucuras.
- Momento maravilhoso na vida afetiva e profissional.

Não são bons motivos para viajar? Pois então... Minas, aí vou eu!

Eu volto.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

São Pedro, desliga o ar-condicionado aí!

Pensei que já havia me acostumado ao frio das terras paulistas, mas, pelo visto, carioca que se preza só se dá bem mesmo é no calor. Hoje eu dei um espirro por minuto e por isso fui parar no médico. O diagnóstico? Rinite alérgica. Ótimo negócio para quem acorda sob um frio de 8º C e vai trabalhar num lugar de 5ºC. Se a Academia da Força Aérea já é sombria debaixo de um sol de 40 graus, imagina imersa nas névoas de um dia gelado ! Eu não sentia mais os meus pés, as minhas mãos, o meu nariz! Mas, são ossos do ofício e por esta razão, luvas e cachecóis viraram parte do fardamento. O bom mesmo é que estou em contagem  regressiva: faltam apenas três dias para as minhas férias. Eu juro, mas juro mesmo que vou procurar um lugar bem quentinho para passá-las...